"Multiplica os teus olhos para verem mais.
Multiplica os teus abraços para semeares tudo."
Cecília Meireles

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Reportagem do Estado de Minas

Leiam a reportagem, abaixo, sobre nossa colega bibliotecária e ex-Coordenadora do Programa de Bibliotecas, Lília Virgínia, da Biblioteca Ziraldo (E. M. Padre Francisco de Carvalho Moreira) publicado no Jornal Estado de Minas. Lembramos a todos que a Biblioteca Cecília Meireles tem assinatura deste jornal, cuja a leitura pode ser realizada por todos os interessados no espaço da Biblioteca.


Fundação homenageia mineira por fortalecer bibliotecas

Thobias Almeida - Estado de Minas

Publicação: 01/09/2010 07:10 Atualização: 01/09/2010 07:28

Na Escola Municipal Padre Francisco Carvalho Moreira, a bibliotecária ajuda os estudantes a selecionar os livros e conhecer melhor a literatura - (Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Na Escola Municipal Padre Francisco Carvalho Moreira, a bibliotecária
ajuda os estudantes a selecionar os livros e conhecer melhor
a literatura

O trabalho em prol do fortalecimento das bibliotecas escolares feito por uma bibliotecária de Belo Horizonte rendeu frutos internacionais. Lília Virgínia Martins Santos, responsável por cinco unidades da rede municipal de ensino, foi premiada pela fundação holandesa Da Vinci Huis, iniciativa realizada em parceria com a Internacional Association of School Librarianship (Associação Internacional de Bibliotecas Escolares - IASL Fund). A honraria, além de reconhecimento, concedeu à mineira duas anuidades como membro da IASL e o pagamento da viagem para que ela represente o Brasil na 39ª Conferência da Associação Internacional de Bibliotecas Escolares, entre 27 de setembro e 2 de outubro, em Brisbane, na Austrália.

A associação congrega nomes de todo o mundo com atuação em bibliotecas escolares, para que haja intercâmbio de experiências. Com isso, novos paradigmas podem ser criados para reforçar o papel educativo dos livros. “O prêmio veio devido à ação de um grupo de profissionais da rede municipal que trabalha nas bibliotecas escolares”, enalteceu Lília, que também é mestre em ciência da informação e trabalha há 13 anos na rede municipal de ensino. Segundo ela, projetos como o concurso Turma Amiga da Biblioteca, desenvolvido na Escola Municipal Padre Francisco Carvalho Moreira, que fica no Bairro São Geraldo, na Região Leste de BH, e tem cerca de mil alunos de 5 a 15 anos, merecem ser destacados. Durante o concurso, mais de 600 obras foram lidas, sendo que a turma vencedora, de 25 alunos, devorou 100 edições em um mês. Os ganhadores foram contemplados com um passeio literário.

A biblioteca da escola, chamada Ziraldo, promove outras ações de incentivo à leitura, como a comemoração do Dia do Livro, criação de jogos que têm como pano de fundo as histórias disponíveis no acervo de sete mil obras e decorações temáticas.

“A biblioteca escolar não é um espaço só de leitura, mas também de informação. Aqui, os alunos buscam notícias sobre vários assuntos, além de terem a oportunidade de conhecer a literatura infantil e juvenil do mundo e do Brasil, que é muito bem conceituada”, explica. Na conferência, Lília se reunirá com profissionais de vários países para o intercâmbio de experiências bem sucedidas e apresentação da realidade das bibliotecas escolares no Brasil e, especificamente, em Belo Horizonte. “A realidade é positiva. Podemos afirmar que todas as escolas da cidade têm bibliotecas em funcionamento”, garante. Ela diz estar ansiosa para conhecer a representante sul-africana e descobrir a realidade daquele país.

Gosto pelas histórias

Segundo Lília, esse contexto começou a ser desenhado em 1997, quando foi realizado um diagnóstico da rede municipal de ensino, o que trouxe novas políticas públicas que reforçaram as bibliotecas escolares. “Mas, num futuro próximo, precisaremos de mais bilbiotecários e de outras ações que afirmem nossa importância”, acrescenta. Hoje, a Secretaria Municipal de Educação coordena 181 bibliotecas na cidade.

Willian Araújo Oliveira, de 12 anos, aluno da 6ª série da Escola Padre Francisco Carvalho, frequenta diariamente o espaço de leitura. “Gosto dos livros, eles nos fazem aprender. Por causa deles, comecei a gostar de escrever também”, conta. A estudante Jéssica Louredo, de 10, que está na 4ª série, é outra que se apaixonou pela literatura. Desde junho, já leu 20 livros. “Gosto de conhecer coisas novas, por isso adoro ler. Eles ajudam na hora da aula”, comenta.


Fonte: Jornal Estado de Minas. Disponível no portal UAI



Nenhum comentário: