"Multiplica os teus olhos para verem mais.
Multiplica os teus abraços para semeares tudo."
Cecília Meireles

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Ler sem pressa e sem obrigação [ ...] - texto de Eduardo Giannetti

Clique na imagem para ampliar

 
Ler sem pressa e sem obrigação, ler como quem passeia, um tanto ao acaso, na companhia de ideias e devaneios, antepassados ilustres e bons amigos. 

Não custa caro, não polui, não alastra a peste. A palavra impressa silencia a balbúrdia e o atropelo febril da metrópole. Ela faz de cada um de nós indistintamente, sem diferença de raça, idade, classe ou credo, o herdeiro legítimo do maior patrimônio jamais construído pelo trabalho e pelo talento de todas as gerações passadas. 

A felicidade não se aprende nos livros, mas pode brotar deles. O texto semeia, a leitura insemina. Leia Livros.



Fonte: Texto extraído da Folhinha Sagrado Coração de Jesus, 2012.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Dia Nacional do Livro Infantil


Hoje é o Dia Nacional do Livro Infantil. A data foi escolhida para homenagear o escritor Monteiro Lobato, que nasceu em 18 de abril de 1882.

Monteiro Lobato

Monteiro Lobato conquistou adultos e crianças com suas histórias. Seus personagens sobrevivem ao tempo e seguem conquistando gerações, ano após ano ...

Quem nunca sonhou em ter um sabugo de milho, chamado Visconde de Sabugosa, que lhe ajudasse no dever de casa com toda sua sabedoria?

Ou sonhou com aquela boneca de pano falante, chamada Emília, que com toda esperteza sempre tem uma solução para tudo?

E, os bolinhos de chuva de Tia Nastácia? Ah!!! Rabicó teria que lutar para conseguir algumas migalhas!

Sem esquecer da paciente Dona Benta, da gracinha da Narizinho e das aventuras de Pedrinho ... 

O Sítio do Picapau Amarelo realmente existe para todos aqueles que viajaram nas palavras de Lobato.


Não deixe de comemorar este dia!
 Procure logo a biblioteca mais próxima, 
que pode ser a nossa Biblioteca Cecília Meireles.
 E leve para casa um Lobato, um Bartolomeu,
 um Andersen, uma Lígia, uma Cecília, 
um Ziraldo, uma Maria, uma Ana ...

terça-feira, 17 de abril de 2012

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Lançamento de livros da escritora Maria Luísa Carvalho van den Bergen


Clique na imagem para ampliar

A escritora e ilustradora Maria Luísa Carvalho van den Bergen irá lançar os livros  ( ver imagem acima ) que compõem a série Pirilampo. Os títulos  apresentam histórias atraentes que abordam a afetividade.

Anote em sua agenda:

  • Sabádo dia 14/04/2012  às 10h
  • Na Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa - Praça da Liberdade, 21 Bairro Funcionários -  Belo Horizonte/MG

 Não percam!!!



domingo, 8 de abril de 2012

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Paixão de Cristo


A Flor do Maracujá de Catulo da Paixão Cearense

Flor de Maracujá - Tassia e Eduardo - Goiânia/GO  


Encontrando-me com um sertanejo
Perto de um pé de maracujá
Eu lhe perguntei: Diga-me caro sertanejo
Porque razão nasce roxa
A flor do maracujá?
Ah, pois então eu lhi conto
A estória que ouvi contá
A razão pro que nasci roxa
A flor do maracujá
Maracujá já foi branco
Eu posso inté lhe ajurá
Mais branco qui caridadi
Mais brando do que o luá
Quando a flor brotava nele
Lá pros cunfim do sertão
Maracujá parecia
Um ninho de argodão
Mais um dia, há muito tempo
Num meis que inté num mi alembro
Si foi maio, si foi junho
Si foi janero ou dezembro
Nosso sinhô Jesus Cristo
Foi condenado a morrer
Numa cruis crucificado
Longe daqui como o quê
Pregaro cristo a martelo
E ao vê tamanha crueza
A natureza inteirinha
Pois-se a chorá di tristeza
Chorava us campu
As foia, as ribera
Sabiá também chorava

Nos gaio a laranjera
E havia junto da cruis
Um pé de maracujá
Carregadinho de flor
Aos pé de nosso sinhô
I o sangue de Jesus Cristo
Sangui pisado de dô
Nus pé du maracujá
Tingia todas as flor
Eis aqui seu moço
A estoria que eu vi contá
A razão proque nasce roxa
A flor do maracujá

Fonte da imagem:


http://www.elianatine.com.br/telas/tela19



domingo, 1 de abril de 2012

Festa no Céu - Poema de Noel Rosa


Festa no Céu

Noel Rosa



O leão ia casar

com sua noiva leoa,

e São Pedro, pra agradar,

preparou uma festa boa.


Mandou logo um telegrama

convidando os bichos machos

que levassem todas as damas

que existissem cá por baixo.


E no tal dia marcado

os bichos tomaram banho

foram pro céu alinhados

tudo em ordem, por tamanho.

(…)


O siri chegou atrasado

no bico de um passarinho,

pois muito tinha custado

pra botar seu colarinho.


E o gato foi de luva

pra assistir ao casório;

jacaré de guarda-chuva

e a cobra de suspensório.


O porco de terno branco

com um sapato de sola;

e o tigre de tamanco

de casaco e de cartola.


De lacinho à borboleta

foi o cabrito faceiro;

e o burro de luneta

montado num carroceiro.


O macaco com a macaca

com rouge pelo focinho;

estava engraçada a vaca

de porta-seios e corpinho.


Vou abreviar o discurso

pra não dizer tanto nome:

lá foi a mulher do urso

de cabeleira “a la home”.


Quando o leão foi entrando,

São Pedro muito se riu

e pro bicho foi gritando:

“Caiu! 1º de abril.”


Fonte: revista Ciência Hoje das Crianças, v. 23, n. 219, dez./2010 (contracapa).